fbpx

Golpe da troca de cartões é o mais comum durante o carnaval

Aglomeração de pessoas e distração durante a realização das compras criam o ambiente ideal para que golpistas capturem a senha e troquem o cartão

Nem bem o ano se inicia, as pessoas já começam a se organizar para o carnaval. Se, antes, a festa do rei Momo se limitava a apenas cinco dias, hoje são cada vez mais comuns programações que começam até um mês antes da celebração oficial, que começa em 22 de fevereiro, e se estendem até depois da quarta-feira de cinzas.

Esse novo calendário aumenta o período da folia, mas também amplia os riscos de os foliões serem vítimas de golpes. Quadrilhas aproveitam a aglomeração de pessoas e a distração no momento dos pagamentos para aplicar o golpe da troca do cartão.

Eis como a coisa funciona: o golpista, ou um vendedor ambulante mal-intencionado, entrega a maquininha para o cliente digitar a senha do cartão. Ele se aproveita de um momento de distração do comprador, ou usa algum truque e desvia sua atenção, para que a pessoa insira, por engano, a senha no campo destinado ao valor da compra, permitindo que o bandido tenha acesso a essa informação. Ainda aproveitando a falta de atenção do comprador, o golpista troca o cartão e devolve um similar, muitas vezes do mesmo banco. A troca só é percebida muito tempo depois, em uma nova tentativa de usar o plástico.

Redobrar a atenção ao realizar compras, independentemente do lugar, é a principal forma de evitar ser vítima de golpes como esse. “Fique sempre atento ao seu cartão e confira a devolução: veja se os números da sua senha estão aparecendo na tela quando você a digita; isso não pode acontecer”, alerta Walter de Faria, diretor adjunto de Operações da FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos. “Lembre-se que o campo de senha mostra apenas asteriscos”, acrescenta.

Para chamar atenção das pessoas sobre os riscos deste golpe, a FEBRABAN produziu um vídeo dando dicas de como reconhecer situações suspeitas e como evitá-las.

Outro ponto que merece atenção é a necessidade de comunicar ao banco o roubo ou furto do celular, ocorrências muito comuns em locais com grande aglomeração de pessoas, como é o caso dos blocos de carnaval. “Quando a pessoa tem seu celular roubado, ela se lembra de fazer o boletim de ocorrência e avisar a empresa de telefonia e a operadora do cartão de crédito; mas quase ninguém lembra de avisar ao banco”, alerta Faria.

Esse descuido pode ter consequências graves. Muitas vezes, a pessoa tem as senhas anotadas no bloco de notas do aparelho, ou compartilhou a informação com alguém por e-mail ou mensagem. Se o ladrão conseguir desbloquear o celular, ele terá acesso a esses dados e poderá entrar na conta da vítima, pelo aplicativo do banco, por exemplo.

“É importante que a pessoa entre em contato com o banco para comunicar o roubo do celular assim que perceber que não está mais com o aparelho”, explica Faria. “Assim, a instituição financeira bloqueará a conta e impedirá que os bandidos realizem qualquer operação. ”

Para reduzir os riscos de ser vítima de golpistas, a FEBRABAN destaca as seguintes orientações:

  • Nunca empreste ou entregue o seu cartão para ninguém, e nunca o perca de vista. Pode haver a troca do cartão sem que você perceba;
  • Nunca guarde a senha junto com o cartão. Isso reduz o risco em casos de perda ou roubo.
  • Em caso de roubo, perda ou extravio do seu cartão, ligue imediatamente para a Central de Atendimento do seu banco e solicite o cancelamento do cartão. Em caso de roubo, registre um B.O. em uma delegacia mais próxima;
  • Tome cuidado com esbarrões ou encontros acidentais, que possam levar a perder de vista, temporariamente, o seu cartão magnético. Se isso ocorrer, verifique se o cartão que está em seu poder é realmente o seu. Em caso negativo, ligue imediatamente para o banco e solicite o cancelamento do cartão;
  • Ao efetuar pagamentos com seu cartão, não deixe que ele fique longe do seu controle e tome cuidado para que ninguém observe a digitação da sua senha;
  • Solicite sempre a via do comprovante de venda e confira o valor impresso da compra;
  • Cadastre-se para receber avisos por SMS ou e-mail a cada transação realizada com seu cartão, aumentando, assim, a chance de identificar uma transação fraudulenta;
  • Nenhum banco envia alguém até a sua residência para retirar um cartão de débito ou crédito; e
  • Quando for destruir um cartão, corte o chip ao meio. Mesmo com o plástico cortado, é possível fazer transações se o chip estiver intacto.
Fonte: FEBRABAN

Que tipo de documento deseja enviar a protesto?

A legislação atual não permite o protesto de cheques e notas promissórias de forma eletrônica, recomendamos que se direcione ao cartório de protesto de posse do documento para protestá-lo.

Para localizar um cartório acesse: https://protestomg.com.br/localize.